terça-feira, agosto 31, 2004

Respirar debaixo de água/ tapetes

Hummm...estou triste... a ideia que eu tinha hoje para vos falar não é exequível, pelo menos nos moldes em que eu a imaginei:

Durante muito tempo não pensei mais sobre a ideia de dormir dentro de água. Foi numa aula de fisico-química que o meu cérebro fez faísca outra vez ao ver os resultados da electrólise da água (liberta-se hidrogénio e oxigénio)! Este oxigénio produzido pode ser facilmente armazenado...

Em vez de termos a incómoda linha de ar a alimentar-nos debaixo de água, não seria maravilhoso se tivéssemos disponível um aparelho portátil que fosse capaz produzir o oxigénio necessário para sobrevivermos?

...Pois... aqui é que entra o problema...bahhh (labrego, grunho ignóbil)! É que o ar que respiramos é constituído em apenas 21-23% de oxigénio. Se respirarmos oxigénio puro, o mais provavél é caírmos para o lado nos instantes seguintes! Fica o problema por resolver... não sei como produzir dióxido de carbono (CO2), azoto (N2) e restantes gases em quatidades vestigiais debaixo de água num aparelho portátil....buuuááááááá!!!!chuif, chuif! É pena, porque não só o problema da banheira-cama ficaria resolvido como também se abria um grande leque de utilizações, nomeadamente no mergulho no mar...Alguém me ajuda???

Para não vos deixar hoje orfãos de ideias boas, passo à seguinte:

Tapetes rolantes com velocidade variável


Depois de ter que passar todos dias pela passagem superior de Alcântara durante 4 anos e meio, não é difícil ter esta ideia (para quem não conhece, a passagem superior de Alcântara não é mais que um conjunto de tapetes rolantes que prefazem cerca de 150-250m, que, quando estão todos a funcionar (o que é raro), facilitam a movimentação pedonal na zona).

Para que os tapetes rolantes tenham realmente utilidade, têm que rolar a uma velocidade razoável. No mundo que conhecemos, a velocidade está limitida porque se assim não o fosse seria extremamente difícil entrar num tapete sem "ir ao tapete"! Assim, quem quer movimentar-se a uma boa velocidade tem que continuar a andar em cima dos tapetes rolantes.

O que eu proponho é a existência de tapetes rolantes que no início andem à velocidade normal, mas que acelerem a sua velocidade gradualmente, para depois desacelerarem perto do fim. Como é que isso é possível? É questão de testar novos materiais para os tapetes, nomeadamente borrachas de elevada elasticidade. Experimentem rodar um simples elástico com uma marca de caneta. A marca andará a uma velocidade constante. Experimentem agora, ao mesmo que o rodam, esticá-lo: haverá uma parte do elástico que ficará sem tensão, ao passo que a zona da marca chega mais rápido ao destino - recupera-se a tensão normal do elástico depois da marca chegar ao destino, pronto para outra marca! Estão a imaginar a analogia?

Esta invenção teria particular interesse em aeroportos. Quem já esteve nos aeroportos de Heathrow ou Frankfurt, ou qualquer outro de grandes dimensões, bem sabe que por vezes é necessário palmilhar quilómetros (literalmente!) por entre corredores e halls com as bagagens atrás. Hummm...acho que vou patentear a ideia!!!

Beijinhos e abraços, (pode ser que entretanto surja outro leitor...!)

Ricardo


segunda-feira, agosto 30, 2004

Dormir

Um dos grandes pecados que faço regularmente é tomar banho de imersão. É um crime gastar-se tanta água.

Desde pequeno que fui obrigado a optar pelo banho de imersão em vez do duche por causa dos meus ouvidos, que não podiam apanhar água. Felizmente fui operado e hoje em dia já não tenho cuidados especiais com os ouvidos, mas o hábito ficou. Ultimamente tenho feito um esforço e, de vez em quando, uso o chuveiro (It's a process, you know...!). É tão reconfortante demorar o tempo que se tem deitado na banheira!

Nesta altura deverão estar a perguntar... "Mas o que é que isto tem a haver com o título???". Tem tudo. É a minha seguinte ideia/invenção. Surgiu quando era pequeno, tinha vindo dos treinos de ténis-de-mesa e estava estoirado. Meti-me na banheira e adormeci. Já só acordei 3/4 de hora depois, com frio....brrrrr!
Nessa noite, já dentro dos lençois, sonhei que era podre de rico (normalissimo sonhar com dinheiro...), mas que para além disso, não dormia na cama. Isso mesmo, dormia dentro de água!

Talvez me tenha inspirado naquele sítio onde passamos nove meses das nossas vidas... Basta possuir uma banheira suficientemente grande, um sistema de reciclagem de água para manter a temperatura adequada e ter ligado ao nosso sistema respiratório uma linha de ar, e estamos prontos para passar noites relaxantes! Do melhor que há - não teremos problemas com o nº de cobertores por cima de nós no Inverno, não teremos calor no Verão, nunca mais teremos que trocar de lençois, poderemo-nos mexer à vontade no nosso leito... existe uma lista infindável de razões que apoiam esta invenção!

Esta invenção levou-me a pensar noutra... mas isso fica para amanhã!


Beijinhos para as leitoras e um abraço para o leitor,

Ricardo


domingo, agosto 29, 2004

Domingo

Numa altura em que as estatísticas oficiais (...errr...à falta de melhor, o matemático aqui sou eu!) indicam que este blog conta já com a bonita marca de 5 leitores, faço uma pausa. É Domingo. É dia de fazer comentários, não de escrever.

Tenho muitas ideias em mente, suficientes para preencher uns quantos minutos de deleite literário às minhas queridas leitores e leitor durante mais uns bons dias - por isso mantenho-vos na espectativa! Um grande pedagogo afirmou que o melhor momento de fazer uma quebra no jogo é no momento em que este mais diverte as crianças, no seu clímax. Faz crescer nelas um desejo de o prolongar, o qual é o garante da sua longevidade.

É óbvio que esta massa cinzenta não parou de funcionar, por isso tem a certeza que ainda vou imprimir mais carvão nos post-it amarelos - é verdade...já me iam escapando algumas ideias se não as estivesse escrito.

Os post-it foram uma ideia bestial... qual é a invenção que mais vos marcou? E porque razão? Pela sua utilidade? Pela carolice do inventor ("jamais me lembraria de tal coisa...bem esgalhado" -digo eu por vezes!) ? Pela maneira como modificou o mundo ou o vosso dia-a-dia?

...tenho a certeza que queria escrever mais qualquer coisa...mas esqueci-me. Bolas!

Resta-me saudar o (crescente) auditório:

Saudações,
Ricardo

(...simples, mas eficaz!!!)

sábado, agosto 28, 2004

Arrumar carros

Esta invenção já tem uns 4/5 anos, mais ou menos quando andava a ter lições de condução. Relembrei-me dela a pensar num amigo...

Surgiu quando tentei estacionar o carro entre dois veículos pela primeira vez. "Mas porque raio é que os carros não têm as quatro rodas direccionais?" - pensava eu.

Imaginem um sistema em que todas as 4 rodas virem para o mesmo lado, fazendo um ângulo de 90º com o passeio: tornava-se assim muito mais simples arrumar os carros, executando a manobra por mim baptizada de "gaveta" - estão a ver a analogia, não?

Aqui fica o repto às grandes construtoras mundias! Ford, Toyota, GM, VW, Yugo e afins ... ponham esta ideia em prática. Verão que pouparão embaraços e preciosos minutos aos vossos clientes!

sexta-feira, agosto 27, 2004

Peixe sem espinhas

Esta é daquelas invenções que eu já tenho em mente desde tempos imemoriais (...por isso, se o leitor destas linhas já pensou nesta invenção, desengane-se, EU já tive esta ideia à muito mais tempo!). Talvez até tenha sido por esta e outras ideias que eu escolhi o percurso académico pelo qual enveredei. Aliás esta ideia é a percursora de uma outra ideia minha genial, a qual não vou divulgar tão cedo por se tratar de um conceito muuuuuuito à frente, o qual não quero ver desperdiçado em mãos malévolas (sabe-se lá quem poderá ler este blog...)! Talvez um dia se me administrarem psicotrópicos eu divulgue a ideia...

Quanto à invenção em si, não tem muito que se lhe diga. Surgiu depois de umas poucas experiências a comer sardinha. Sim...eu sei que é boa, especialmente na grelha, mas já viram o trabalho que é preciso para aproveitar um "nacozito" de peixe???

A minha ideia é que se crie, utilizando a engenharia genética, uma nova espécie de sardinha com uma estrutura mais eficiente, ou criar um material alternativo à espinha que seja muito mais fácil de retirar - do tipo que se pudesse puxar, por exemplo, pelo rabo do peixe e saír de uma só vez toda a estrutura, ficando no prato uns belos filetes de sardinha grelhada. É isso mesmo, peixe de abertura fácil!. Muito mais à frente que o simples atum em conserva.

É claro que depois, e mais uma vez recorrendo à engenharia genética, podia-se suplementar o teor nutricional da sardinha no que nos desse mais jeito...proteínas, co-factores daqueles anunciados nos champôs (...a propósito, escrevi bem essa última palavra??), ou então fazer simplesmente como anunciam nos pacotes dos cereais: 7 vitaminas e ferro! Aliás, com o arroz já se faz isso - procurem informações sobre o golden rice.

A única precaução a ter é a de fazer a espécie de tal modo que não se possa entrecruzar com mais nenhuma outra espécie, ou então fazer a exploração da espécie somente em aquacultura. Não era bom que esta nova espécie introduzisse desiquilíbrios no ecossistema. (...sim...não sou um pseudo-cientista completamente chanfrado...!)

Saudações às minha duas leitoras!
Hummm.... estou intrigado! Porque é que só tenho leitorAs??? Esta escrita nem sequer se aproxima da prosa praticada nas revistas de fofocas... Não é que não preze as leitoras femininas, mas faz falta um auditório mais alargado!

quinta-feira, agosto 26, 2004

Ena Ena!!

Uau!

Estou feliz! Tenho uma leitora!!! ...pelo menos uma!

Para comemorar o feito, a partir de amanhã (hoje não porque não me apetece), vou tentar escrever sobre ideias que eu tenho em mente, nomeadamente invenções que estão à espera da luz do dia.
Quem quiser deixar as suas ideias, elas são bem vindas. Talvez um dia façamos uma sociedade ...até já estou a ver o nome: "Invenções do Baú". E, já agora, o mote: "Tire as suas ideias desse lugar escuro. Nós somos especialistas em metê-las em prática!"

Até amanhã!

terça-feira, agosto 24, 2004

Boa pergunta

Raios Partam este Blogger site!! A única coisa que eu queria fazer era fazer um post no blog da saltapocinhas, e como é necessário ser um utilizador registado não tive outro remédio senão ter que criar um blog só meu.... Será que é mesmo necessário existir este blog ou haveria maneira de deixar a minha opinião sem ter demais chatices?

...enfim...vi-me impelido a escrever...

A não ser que alguém faça algum comentário, vou deixar de escrever (não levem esta afirmação em tom de ameaça... é apenas um lamurioso desabafo!!)

Saudações!